Pernambuco quer esforços para a conclusão da Transnordestina

0
218
views

O atual governador do estado de Pernambuco, Paulo Câmara, discutiu esta semana no Palácio do Planalto as alternativas para destravamento das obras da ferrovia Transnordestina.

O encontro teve a participação dos ministros Eliseu Padinha (Casa Civil) e Maurício Quintella (Transportes, Portos e Aviação), além dos governadores Wellington Dias, do Piauí e Camilo Santana, do Ceará além de um parceiro privado.

“Demos um passo importante a partir do momento em que todas as partes sentaram à mesa para iniciar um processo de busca de alternativas, de destravamento dos gargalos com uma obra que é fundamental, estruturante para três estados do Nordeste e que servirá também para toda a região”, destacou Câmara.

Os políticos chegaram à conclusão de uma de que um dos primeiros passos a ser feito é buscar o Tribunal de Contas da União, que recentemente barrou recursos para a obra, para garantir o cumprimento de todas as etapas necessárias para a retomada do empreendimento.

“Vamos dar ao TCU os esclarecimentos necessários, solicitar que haja uma priorização nessa análise. E, ao mesmo tempo, vamos viabilizar o que for necessário no aspecto estrutural, no âmbito dos governos dos estados, e buscar, tanto com a União quanto com o parceiro privado, que não haja mais nenhum tipo de entrave, nem de falta de recursos financeiros, para que essa obra seja concluída”, disse Câmara.

De acordo com o pernambucano, existe uma garantia de R$ 300 milhões do Fundo de Investimentos do Nordeste (FINOR), além de outros R$ 130 milhões do Orçamento Geral da União (OGU), que auxiliarão na conclusão da muito atrasada Transnordestina.

Quando concluída, a ferrovia será rota essencial para o escoamento de produtos do Nordeste até o porto de Suape, com geração de empregos e reaquecimento da economia.

O projeto inicial da Transnordestina prevê uma linha com 1200 km de extensão, ligando Eliseu Martins, no Piauí, até o porto de Suape, passando por Trindade, Salgueiro, além do sertão e agreste pernambucano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here